Conhecendo o mágico Vale do Loire

20071227

Olá moscas leitores, fiquei bem ausente do blog esse tempo, porque tive prova de concurso e depois veio carnaval e fim de período na faculdade… Finalmente vou tirar esse post do rascunho. Aproveitei a ausência e mudei o layout do blog, o que acharam?

Esse é um post que eu já planejava fazer desde o inicio do blog, afinal pretendia que o “cargo chefe” do blog fossem dicas de viagem baseadas na minha experiência, sempre penso um post para essa categoria, mas como eles geralmente me dão mais trabalho que os outros, fico com uma preguicinha. Mas esse eu não posso deixar passar, porque foi o passeio que eu mais gostei de todos os que eu fiz em minhas viagens.

Se você está planejando uma viagem para a França, não deixe conhecer pelo menos dois châteaux do Vale do Loire! Para fãs de castelos como eu é completamente imperdível visitar essa região.  Nunca ouviu falar? Então corre no google imagens agora e pesquise por “Vallée de Loire” ou “Loire Valley”! Pronto, tenho certeza que você já está completamente apaixonado pelo lugar, ele realmente é onde os contos de fadas se tornam realidade. Então, calma vamos sonhando por etapas… Onde é que fica esse lugar incrível?

loire_valley_map

Eu tinha um livro com várias fotos de castelos ao redor do mundo e pensava que alguns jamais iria conhecer, porque acreditava que os lugares eram bem inacessíveis, que seria um turismo muito caro e exclusivo que eu não poderia pagar… Até que descobri que não!

excursão

Encontrei a minha maneira de poder conhecer o Vale de Loire, simples fácil e barata! Contratei uma excursão. Existem várias excursões para diferentes lugares saindo de Paris, é uma ótima solução para quem vai ficar mais dias na capital francesa, fazer esses passeios para outras regiões. O bom é que eles te pegam no seu hotel (ou você vai  diretamente ao local que sai a excursão), entra no ônibus e não precisa se preocupar com mais nada! Ingressos, onde ir, como chegar, horários, filas, guias… Tudo é providenciado e você pode ficar livre para curtir.

Eu não gosto de turismo de grupo, excursões, pacotes turísticos não fazem meu estilo de viagem. Mas em uma situação dessas é a melhor escolha para quem não tem como ($$$) se hospedar na região e alugar um carro, ou não se sente seguro para se aventuras em acessos difíceis, ou simplesmente para quem não tem muito tempo para isso.

Existem vários tipos de excursões e várias maneiras de contratá-las, você pode já comprá-las a priori, antes de viajar por um site de pacotes turísticos que vendam essas excursões, ou comprar lá mesmo em Paris diretamente, a amiga da minha mãe que viajou conosco contratou uma excursão para os Jardins de Monet por telefone, o recepcionista do hotel que ficamos, muito simpático, ajudou-a a fazer a ligação e contratar a excursão. 
 Eu reservei tudo antes, depois entrei numa noia “será que procede, se é verdade? ai, não recebi ainda o e-mail de confirmação que agonia” *toma vários rivotril*. Mas deu tudo maravilhosamente certo. E indico para vocês o City Discovery (http://www.city-discovery.com/), comprei por lá e foi tudo bem. Gostei muito do serviço deles na excursão, então recomendo bastante. 
Como já disse tem várias excursões diferentes, visitando outros châteaux. Depois de ler aqui o meu post, espero que vocês tenham escolhido os seus preferidos, daí é só procurar por um pacote que se adapte melhor a sua conveniência. 
 A excursão que eu fiz visitou Chenonceau, Cheverny e Chambord, nessa ordem. Eles nos apanharam em nosso hotel com uma van (houve um atrasinho) de manhã, e nos levaram para o local onde sairia o ônibus com o grupo. Lá trocamos nosso voucher (impresso do e-mail que eles mandam quando confirmam o pagamento) para o bilhete. Depois embarcamos, por volta de umas sete e meia. O ônibus era bem confortável, e eles deram uns biscoitinhos e suquinho, nada demais. Passando por lugares históricos e interessantes a guia informava curiosidades. Chegando aos châteaux, dividimo-nos em dois grupos, um grupo com uma visita guiada em inglês e o outro com uma visita guiada em espanhol. Não é preciso se preocupar com nada, logo que chegamos eles nos dão nossos ingressos que dão direito aos châteaux, e os prospectos dos lugares. Houve a parada para o almoço (não incluído  no primeiro castelo mesmo, eu nem não parei para comer, queria ver tudo! Depois comprei um sanduíche mesmo. 
Eu não tenho muita paciência para ficar seguindo guias, ficava perto um pouco ouvia uma curiosidade, mas eu geralmente prefiro pesquisar a priori, para lá no local já saber exatamente o que quero ver e ter tempo para ficar livre e vivenciar a experiencia, passear, curtir, sentir e ver detalhes, brincar! e não ficar seguindo o guia e o grupo de pessoas num estilo excursão a Petrópolis com a escola. Não era preciso também ficar perto dos guias necessariamente, pois na excursão eles lhe dão um audioguia, e com esse audioguia você fica por dentro de tudo que a guia está falando, sem precisar segui-la.

O passeio foi longo, em torno de umas 12 horas e deu para aproveitar bastante, na volta eles deixaram-nos no ponto de encontro (próximo ao Louvre na rua Rivoli), e de lá cada um pegava seu rumo. O serviço de pegar no hotel para essa excursão que contratei era só na ida, na volta eles deixavam no ponto de onde saia a excursão. O que foi bom pra mim que aproveitei e fiz umas comprinhas, depois peguei o metrô pra “casa” e caí na banheira exausta e morta de tanto que andei e me diverti naquele dia. 

Resumindo, o passeio nos levou há 3 châteaux, com visita guiada (que a própria excursão providencia) em inglês e em espanhol, e audioguia. Foi bastante organizado e confortável. Todos os ingressos incluídos, mas com o almoço não incluído.

O PREÇO ERA DE 300 REAIS POR PESSOA (preço em julho de 2010).  O serviço da busca no hotel é opcional, e pago além, se você escolher a opção de encontrar com o grupo já no local que sai o ônibus esse preço ainda sai MAIS barato. Viu como é fácil e não é caro? Agora como fazer uma viagem à França e perder esse lugar mágico?

~ São muitos châteaux estou perdido, qual escolher? ~

Vou primeiro falar dos três que eu conheci, contando minha experiência, depois vou apresentar outros castelos da região que eu infelizmente não pude conhecer, mas que também são populares e muito interessantes. Para o post não ficar mais longo do que já vai ficar vou deixar um leia mais, link para página da Wikipédia que conta a história dos châteaux, não deixem de ler para entender os castelos e poder escolher quais interessam mais a vocês :). Se fosse escrever sobre a história dos châteaux ia ficar enorme aqui, porque eu me empolgo demais quando o assunto é História e Arquitetura.  Além disso também vou deixar o site deles ao final do post.

chenonceau

Leia aqui sobre o château de Chenonceau

collagechenon

A primeira parada da minha excursão foi o mágico castelo de Chenonceau, conhecido como Castelo das Sete Damas. Esse foi o mais charmoso de todos! É como se fosse um corredor sobre um lindo lago, uma torre que parece até desenhada por um faber castel, dois belos jardins, pontezinha, tudo isso inserido em um ambiente de arregalar os olhos, é muito bonito. Dá vontade ser a Catarina de Médici e morar lá.

SAM_0578

cheverny

Leia aqui sobre o château de Cheverny

collagechev

Cheverny é o château do Tintin  um belo palácio, sinceramente não tem tanta graça se você já visitou outros palácios em suas viagens. Especialmente se você foi antes a Versailles. Eu só fui a Versailles depois, mas já havia conhecido outros palácios por aí em outras aventuras. Mas, é bonito, é todo decorado e tem uma atmosfera bem legal.

Mas o legal mesmo de Cheverny foi o lado de fora do palácio, a cidadezinha é linda demais! Então se você for a Cheverny, mais do que lá dentro fique lá fora da propriedade. Sabe a cidade da Bela e a Fera? Então, é lá. Minha mãe logo lembrou da cena e começou a cantar a música que a Bela canta no início do desenho. Realmente você vai querer ficar cantando “Bonjour, bonjour!” que nem uma criança idiota.

Museu do Tintin. O palácio de Cheverny , para quem não sabe inspirou Hergé, na criação do château de Moulinsart :)

Precisa falar mais? Dentro da propriedade de Cheverny tem o museu do Tintin, o ingresso não é incluído na excursão, é pago a parte se você quiser visitar. Eu fiquei impressionada como tudo do Tintin (quadrinhos, demais artigos souvenir) era caro na França.

SAM_0003[2]

chambord

Leia aqui sobre o château de Chambord

collagechanbor

O mais espetacular fica para o final, é de tirar o fôlego. Uma obra prima renascentista! O castelo mais bonito que conheci até agora foi o imponente Chambord. Para fãs de arquitetura é um deleite, um gozo estético.

O telhado lembra o telhado do castelo de “A Bela e a Fera”. As escadarias são interessantíssimas, dizem que Leonardo Da Vinci teria participado do projeto das escadas de Chambord.

SAM_0050[2] SAM_0045[2]

amboise

Leia aqui sobre o château de Amboise

collageam

Para os fãs do Renascimento esse é outro castelo imperdível!

usse

Leia aqui sobre o château de Ussé

collageusse

Com certeza é minha próxima parada no Vale do Loire, logo quando eu puder voltar a França! Esse é o famoso Castelo da Bela Adormecida.

Existem muitos outros, queria eu poder colocar todos aqui no post para vocês, e visitar todos eles. <3

OBS:

A maioria dos châteux tem prospecto em Português PT, o que é bem legal!

As lojinhas desses châteaux costumam ser bem legais. A que eu curti é a de Chenonceau, vale a pena trazer uma lembrança de lá! Desde louças com brasão e emblema de Chenonceau e dos Medicis, até tapeçarias, capas de almofadas, artigos lindos para crianças. Vários tipos de livros sobre Vale do Loire e Renascimento. Eu comprei o meu lá.

www.chenonceau.com; www.cheverny.com.br; www.chambord.org;

http://www.chateau-amboise.com; www.chateaudusse.fr.

Museus incríveis não tão badalados em Paris

Se você vai a Paris com certeza você vai visitar o Louvre e o d’Orsay, museus famosos por terem uma gama extensa de quadros e esculturas famosas, e são obrigatórios para todos que os apaixonados pela arte. Porém, é bom saber (se você viaja em alta temporada então triplique a intensidade do que vou dizer) que vai estar muito cheio! E quem gosta de ver museu gosta de ficar contemplando e vivendo de fato aquele momento mágico! Querendo guardar cada pincelada, cada relevo e cada cor, que em reproduções não se pode perceber. Ver um original de pintor que você gosta é como ver ir a um show do seu ídolo, e não é legal quando tem um grupo de gente fotografando sem parar bem na sua frente né?

O que acontece é esses museus mais badalados ficam demasiadamente cheios, ainda mais se você for no dia que é 0800, e você acaba não conseguindo entrar no clima e não curte tanto assim o momento e as obras, porque tem vários japoneses se engalfinhando ali. Uma alternativa a isso é não deixar de conhecer outros museus, que não vão estar tão cheios quanto o Louvre e o d’Orsay, assim você ficará mais a vontade sem receber cutuveladas de coreanos. Esses museus que vou citar abaixo são museus bem famosos também, mas como a maioria das pessoas faz turismo de escala, e não tem tempo para ver muita coisa, dão preferencia de museu ao Louvre e d’Orsay e de resto passeiam em outros lugares. Existem vários, vou dar a dica dos que conheci e gostei bastante.

Centre Georges Pompidou

Esse é o museu de arte moderna e contemporanea de Paris, ele é bem famoso, o prédio é incrível e tem um mirante estupendo em cima, todavia, ele não fica tão cheio quanto os outros, na verdade quando eu fui não tinha praticamente ninguém no museu, estava praticamente sozinha naquele museu gigante e maravilhoso!

São vários andares com galerias diferentes; existem as galerias de exposições nômades no sexto andar, onde o preço é pago a parte do restante do museu (pago além do museum pass), e os andares de arte contemporânea e arte moderna (Musée National d’Art Moderne) nos andares 4 e 5, que são bem interessante embora não seja um Tate Modern* tem muita, mas muita coisa famosa e boa.

Picasso, Chagall, Matisse, Miró, Pollock, Andy Warhol entre muitos outros podem ser encontrados nesse museu, adorei a quantidade de Picassos (ui!). E o famoso Duchamp também está lá.

paris pompidou

Estrutura e vista:

O mirante de cima do museu foi a vista que mais gostei da cidade, mais até do que na torre de Montparnasse, pois de cima desse centro cultural vemos desde Panthéon, Notre Dame, a Torre Eiffel até Montmartre, de lá podemos ver a Sacré-coeur de Montmarte! O que dá uma foto panoramica invejável.

paris pompidou 2

Acabou que foi o museu que mais gostei da França, embora em termos de acervo o d’Orsay seja a minha menina dos olhos, ele estava tão cheio que mal deu para curtir tantas coisas lindas. E o Pompadoir foi tudo de bom! E a lojinha do museu foi a melhor de todas também *_*

Musée Carnavalet

Saindo do Pompidou indo em direção a Bastille (não é próximo não, eu que andei a beça) achei o simpático Museu Carnavelet, próximo a Places de Voges. Ele é gratuito e belíssimo. Esse museu conta a história da cidade de Paris, com uma grande quantidade de quadros, painéis, maquetes, esculturas e objetos. Adorei demais as maquetes da cidade e da bastilha. É bem interessante o museu, o lugar além de bonito é aconchegante, os jardins são uma graça também, incríveis, dá pra ficar muito tempo lá sem enjoar.

paris carnavalet

Musée Cluny National du Moyen Âge

Esse museu é incrível! Para quem gosta de Idade Média é totalmente imperdível! E fica em Cluny, o que era bem pertinho do hotel onde estava hospedada. O próprio prédio já é o museu, ele é antigo e o adentrando tem partes ainda mais antigas. Além de um grande acervo de objetos de vida cotidiana, e objetos artísticos, encontramos vários Livro de Horas super lindos!
Mas a atração do museu são os painéis da Dama e o Unicórnio, eles são lindos! Já tinha ouvido falar, visto e lido sobre essas tapeçarias antes, mas não sabia que eram a principal atração desse museu, adorei. As seis tapeçarias estão lá em uma sala só para elas. Quem nunca ouviu falar vou deixar o link pra Wikipédia aqui, vocês vão gostar certamente.

livro de horas

Cluny

Espace Salvador Dalí

Em Montmartre fica o pequeno e legal museu do Salvador Dalí, o ruim dessa galeria é que ela não está inclusa no Paris Museum Pass (depois faço um post sobre isso e linko aqui), então já sabendo disso me organizei para ir ao museu antes de comprar o Museum Pass, quando fosse visitar o charmoso bairro de Montmartre! Nada demais, pra quem já viu tanta coisa do Dalí em Londres, não vi muita graça no museu, mas mesmo assim vale muito a pena se você é fã do pintor, como eu. Vários desenhos, esboços e também muitas esculturas legais, é bem pequeno e dá pra ser visto rápido, o que é ótimo, pois assim você não perde muito tempo da sua tarde na região de Montmartre.

Localização:

Centre Pompidou

estação Rambuteau, Hôtel de Ville
place Georges-Pompidou

Musée Carnavalet

estação St-Paul
rue de Sévigné ou rue des Francs-Bourgeois. próximo a Place des Vosges

Musée Cluny Moyen Âge

estação Cluny- La Sorbonne
rue du Sommerard, place Paul-Painlevé

Espace Dalí

fica em Montmartre, rue Poulbot, é fácil de achar porque fica próxima a praça famosa da região onde há vendas de quadros pelos artistas locais