Planejamento de viagem [Parte 2]: Hospedagem

Em março fiz o primeiro post sobre planejamento de viagem para marinheiros de primeira viagem, “Planejamento de Viagem: Dicas Fundamentais”, nele abordei 5 pontos iniciais para planejamento, como fazer seu passaporte, planejamento inicial de dias, comprando seu guia de viagem e comprando sua passagem aérea.  Hoje vou para nosso item 6... Fazendo suas reservas!

6.

A maioria das viagens que fiz fiquei a maior parte do tempo na casa do meu primo, já falei desse meu primo duas vezes aqui. Ele morou alguns meses em Londres, e depois alguns anos em Berlim. Ficar na casa de parentes ou amigos é sempre bom, mas sempre tive uma parte da viagem em outra cidade que ficava em hotel ou em albergue. Eu já fiquei em hotéis, albergues, já aluguei apartamento… Para essa viagem que farei em julho, vou ficar em hotéis quase toda a viagem, tirando por alguns dias na casa de amigos da família. Então estive pesquisando bastante e posso compartilhar isso com vocês :)

Albergue, hotel, apartamento, b&b, seja o que você preferir, reserva pela internet sempre rola aquele medinho, por isso vamos conhecer sites seguros para você fazer a sua reserva:

Booking.com

Hostelworld.com

Decolar.com

Nesses sites você coloca a data que deseja para sua reserva e a cidade de destino, pode escolher por faixa de preço, etc… O site vai indicar vários hotéis/albergues/apartamentos nele cadastrado, então procure bem direitinho e leia tudo com atenção. Deixe o bloco de notas, planilha, ou folhinha a mão para anotar os hotéis que você se enquadram no seu orçamento e desejo de localidade. É bom ir organizando assim para ser mais fácil depois voltar nos hotéis e ter critérios de desempate. Eu indico anotar o nome do hotel, localização, preço, prós e contras e alguma obs baseado nos comentários feitos sobre o local.

Fique atento as especificações, se o café da manhã está incluso, se não quanto custa. O que o estabelecimento tem a te oferecer, wifi? Elevador? Toalhas inclusas? Ar condicionado? Não se esqueça que se escolher por um albergue ficar atento se ele é “um albergue da juventude”… O que isso significa? Os “da juventude” os hóspedes tem limite de idade, então fique atento.

Nunca deixe de olhar as avaliações feitas por usuários, pessoas deixam sua nota e fazem comentários sobre o hotel/albergue/apartamento… Realmente é legal ler tudo que puder para ter um panorama geral e real do local. É válido também jogar no google imagens, para ver fotos sem ser aquelas que o estabelecimento divulga

Uma boa opção para tirar suas dúvidas é no site http://www.tripadvisor.com.br, esse site é ótimo, tem várias avaliações de viagens, que também podem upar fotos pessoais dos locais. Não só de acomodações, mas também existe avaliações de excursões, passeios, restaurantes. Vale a pena consultar aqui.

Mantenha o Google’s Maps na outra aba sempre! Assim você pode rapidamente verificar a localização do seu hotel. Uma boa localização para mim é tudo, mais válido até do que um local bonitinho. Mas, isso fica a critério de cada um, há os que prefiram algo fora do centro, ou algo com uma cara mais exclusiva. Não importa qual seja sua preferencia, o importante é sempre consultar o google maps ou seu mapa físico. Você vai ver que logo logo, pelo nome do local você já vai saber onde fica, sem nunca ter ido lá, de tanto olhar no mapa hahahaha.

Sempre veja se o hotel tem site próprio, além de poder ver melhor o local, talvez pelo site você consiga alguma promoção especial que não consta no Booking.com, por exemplo. Já fiz reserva direto pelo site do hotel, isso em Paris, através de e-mail e também deu super certo e foi bem tranquilo.

Albergue, uma boa opção: Muitas pessoas aqui do Brasil tem preconceito com albergue, se seu destino for Europa é melhor deixar isso de lado, por experiencia própria, a não ser que seu hotel seja 5 estrelas, existe muito mais chances o albergue ser melhor do que o hotel. O albergue oferece uma série de coisas que são mais difíceis os hotéis mais baratos oferecerem, como uma área de convívio, bar, uma cozinha que você possa utilizar, piscina… além de eventos como algumas festas temáticas que podem rolar no albergue ou walking tours gratuitos. Então pesquise bem e repense.

Anúncios

Planejamento de viagem [Parte 1]: Dicas fundamentais

Olá, hoje não vou falar sobre nenhum lugar específico, mas sim sobre o viajar em si. Fazer uma viagem requer muito planejamento. Marinheiros de primeira viagem costumam ficar perdidos, pensando: Por onde eu começo? Muitas vezes as pessoas recorrem à agencias de viagem e compram pacotes prontos, evitando assim dores de cabeça, já que o agente que lhe vende o pacote vai te aprontar tudo, passagem, hospedagem, passeios… Mas, eu não sou daquelas que acreditam na filosofia do turismo de pacote (que acaba virando o popular turismo japonês), sou daquelas que acredita que a viagem tem que ser composta por você! Afinal ela tem que ser a sua viagem! Não a viagem que tinha lá na agência. E não só pela liberdade que isso te trás, mas a economia é expressiva!

Mas fazer tudo sozinho, e o pânico? Não é muita coisa? Calma, vamos lá:

OBS – Se você é ryko esse post é irrelevante, já que na condição de ryko você pode tomar café da manhã na França e jantar na Italia, porque você tá entediado e tudo é mais fácil!

etap

Comece a se planejar com pelo menos 8 meses de antecedência, para comprar sua passagem com pelo menos 4 meses de antecedência (o ideal mesmo é 6 meses).

Primeiro você tem vai escolher qual lugar principal você quer conhecer, provavelmente outros lugares viram em decorrência desse, da época do ano, das suas possibilidades e da pesquisa que você começará a fazer. Afinal, começando a pesquisar um país ou uma região, você pode se deparar com cidadezinhas apaixonantes que você nem sabia que existiam, mas que agora precisa ir de qualquer jeito! Porém dependendo da estação e mês da viagem, certos lugares são melhores que outros, há algumas atrações/eventos/festas em determinadas datas que você pode aproveitar – planejando assim, você não perde nada!

Junto com a escolha do lugar, é a marcação de suas férias. Você quer viajar quando? Você pode viajar na época que quer? Quando você pode viajar? Lembre-se que uma viagem no verão é completamente diferente de uma viagem no inverno. Toda sua bagagem será diferente, e não é só isso, as cidades que você vai conhecer também estarão bem diferentes. Então não basta pensar: “Vou a Holanda ano que vem”. Tem que ser vou a Holanda: vou ver os campos de flores ou o canal congelado? Basicamente.

Sabendo para onde vai e quando vai, vem todo o resto!

1a

1Não deixe para amanha o que você pode fazer hoje! Não é só chegar na Polícia Federal belo dia e sair de lá com o passaporte. Normalmente você deve agendar. Então entre no site da Polícia Federal aqui e lá estará tudo explicado, os documentos necessários e também tem as dúvidas frequentes. Por lá você faz o requerimento do seu passaporte.

Lembrem-se: Passaporte tem prazo de validade e não é muito extenso assim, para entrar em países estrangeiros que exijam o passaporte ele deve estar dentro da validade. E importante: com menos de seis meses faltando para expirar a validade do seu passaporte, você não passa na alfandega. Então não espere até o último segundo para renovar seu passaporte. Pela validade do meu passaporte (que fiz em 2008) ele estaria válido para minha viagem em julho, mas não está, pois ele estará com menos de 6 meses de validade. Por tanto farei um novo. Outra coisa importante: não se renova passaporte, se faz outro! O seu antigo é inutilizado (ou seja, eles dão um furinho nele, como em baralhos de cassinos)

2a

2 – Sim, eles são seus amigos e a fase de compra-los é antes de comprar a passagem em si. Pois imagina se pesquisando você descobre que um trajeto encantador pelo litoral da França até a Itália, mas aí você já comprou seu “Rio-Roma/ Roma-Rio” (por exemplo) e não vai ter como fazer? Quem sabe uma parte por trem não seja mais apaixonante, ou então até mesmo um cruzeiro? Por tanto o planejamento inicial é todo antes, pois é a partir dele que vem o planejamento de orçamento e só com ele você vai ter certeza se PODE$ OU NÃO$ fazer essa sua viagem e se ela pode ou não ser do exato jeito que você deseja.

O guia mais popular é o da Lonely Planet, mas aí vai de gosto pessoal, o guia perfeito não existe. Eu não sou fã deles (Lonely Planet), mas meu tio adora, não troca por nenhum.

Gosto especialmente dos da PubliFolha (Guia Visual, Key Guide, Guia Espiral, etc). Mas nem sempre o guia visual mais bonito é o mais fácil de se usar. Dê preferencias a guias que tenham mapas bons, mapas ajudam muito a visualização e que os conteúdos sejam divididos por regiões. Eu acho os guias de cidades muito melhores, mais completos e fáceis do que os guias de um país inteiro. Mas nem sempre (dependendo da sua viagem, é claro) ter um guia para cada cidade vai caber no seu bolso (literalmente e metaforicamente)

Então minha dica é simples: Vá para uma livraria pegue todos os guias, dê uma boa olhada no café e escolha o que você mais gosta! (Não compre pela internet). Geralmente o preço é padronizado, mas os guias em inglês costumam ser mais baratos, para quem sabe a língua da ilha bem, vale mais a pena.

O guia da pesquisa nem sempre é o guia que você vai levar na viagem, muitas vezes o guia da pesquisa é maior e mais completo, você não precisa dele na viagem! E sim de um guia de bolso, ou quem sabe só um bom mapa já está bom.

guia

OBS – Olhe sempre a data da publicação da edição dos guias, afinal, você não quer o mais desatualizado, não é mesmo?

3a

3 – O orçamento é a parte mais importante de todas, e ele não aparece só aqui no que chamei de “primeira etapa” ele aparece de novo nas próximas etapas também. Esse é o Orçamento Inicial.

Feita as pesquisas, é hora de ver o que é possível e o que não é. É hora de ver o preço das passagens e o preço por alto de todas as coisas. Cotação de dólar  euro e botar no papel. Quanto você vai precisar? Quanto você pode gastar? Quais as soluções mais em conta? Fazer aquela viagem pelos alpes no trem panorâmico é muito caro? Então qual a outra alternativa? Quanto de dinheiro você vai levar? Qual meu orçamento máximo para gastar em hospedagem? Você vai ver o que dá ou não para economizar e o que pode ou não abrir mão aqui. Isso vai definir qual e que tipo de passagem que você vai comprar depois.

4a

4A primeira coisa para o seu planejamento de dias é quando for contar o tempo de sua viagem, não conte com o tempo em que você estará se locomovendo, assim você terá uma noção melhor de quanto tempo realmente estará no lugar. O dia da viagem é ou um dia perdido, ou um “meio-dia”. Exemplo: se sua viagem para Londres é de 31 dias, e você saí dia 01/12 do Brasil e volta na manhã de 31/12, sua viagem na verdade é de 29 dias. Se dentro desses dias você faz uma viagem de ônibus de 11 horas para Amsterdam, depois o mesmo para voltar, você deve contar com 27 dias. Parece besteira eu falar isso porque é óbvio, é óbvio, mas a gente se desliga e muitas vezes achamos que a viagem tem mais dias do que realmente tem, e depois achamos que teremos um tempo que na verdade não temos.

Eu costumo achar melhor conhecer menos para conhecer mais. Como assim? Muitas vezes conhecer várias cidades, países na mesma viagem é possível, mas você realmente conhece Paris ficando quatro dias? E Londres ficando três dias? Bom, eu não consigo chamar isso de conhecer um lugar. Não adianta passar pela Inglaterra, França, Itália, Alemanha em 31 dias (estou sendo bondosa falando um mês, porque vejo gente fazendo isso em 15 dias ¬¬), porque você vai realmente só passar e não curtir realmente os lugares, aproveitar o momento. Então, dou preferencia a muitas vezes conhecer menos cidades por viagem para realmente conhecê-las. Algumas cidades são pequenas, e elas são boas para encaixar entre cidades maiores que você ficará mais tempo. Por exemplo: 3 dias em Amsterdam, 3 dias em Praga você encaixa bem no seu roteiro, e consegue conhecer a cidade. Mas isso vai da vontade/possibilidade e estilo de cada um. Acho que para fazer uma viagem nesse estilo frenético, um pacotão da CVC cairia bem, sim.

5a

5 – Hoje em dia com a Decolar.com tudo parece altamente fácil e mil maravilhas, promoções relâmpagos  passagens baratas, comprar sem sair de casa. Ok, mas pera aí vamos com calma e muita calma na hora de pesquisar as passagens e compra-las, para não fazer um mal negócio.

Tem como fazer um mal negócio comprando passagens na Decolar.com? Tem sim e muito, não só na Decolar como em qualquer outro site de venda de passagens (como os sites próprios das empresas).

As passagens mais baratas e promoções relâmpago não são mais baratas a toa, não é? Fique atento a duração da viagem! O que acontece é que muitas passagens possuem ou várias escalas (trocas de avião) ou muito tempo de espera no aeroporto. Então muitas vezes uma viagem que era para durar 11 horas, por exemplo, pode durar umas 23 horas! Então preste bem atenção na duração dos vôos, pois ninguém quer fazer uma viagem tão longa e tão cansativa dessas. Dê preferencia aos vôos diretos (sem escalas) são mais rápidos, práticos e corre menos riscos de sua bagem ser extraviada.  

Uma boa dica é ficar atento não só a duração do vôo como os horários de chegada/partida, existem horários que são muito ruins para se chegar, como meio da madrugada; e de sair, como de manhã muito cedo, você teria que madrugar para chegar ao aeroporto. O preço também varia nos melhores horários. Então mais uma vez: cuidado com as passagens de promoções, elas não são baratas a toa!

Múltiplos destinos: a opção de múltiplos destinos é diferente das “escalas”, nas escalas você apenas troca de avião (não sai do aeroporto), com o múltiplos destinos você pode fazer uma passagem começando em um lugar e terminado por outro (além de incluir também outras passagens) por exemplo: Rio-Paris, Paris-Berlin, Berlin-Rio. Ou simplesmente: Rio-Paris, Berlin-Rio.

Eu costumava fazer a compra do múltiplos destinos, mas notei recentemente que a Decolar não estava mais parcelando a passagem em múltiplos destinos, ou seja para quem não tem aquela grana na conta para dar na passagem a vista, era inviável essa opção.

Como resolvi isso? Simples, fui na loja da companhia e comprei por lá e consegui parcelar e fazer a viagem do meu jeito. Fui a TAP, a intensão era comprar um Rio-Veneza, Roma-Rio. e Saí de lá ainda passando dois dias em Lisboa pelo mesmo preço :) e parcelando em cinco vezes. Minha passagem ficou: Rio-Lisboa, Lisboa-Veneza, Roma-Rio. Uma das vantagens de comprar nas lojas é já sair de lá com as passagens e assentos escolhidos ou seja você não precisa entrar 24hs antes no site para fazer o check in, escolher suas poltronas, o que gera uma certa correria/angustia/outrossentimentos/poltronapertodowc/etc.

O que você pode fazer sem medo para baratiar sua passagem é fazer os vôos dias de semana, vôo em dia de semana são bem mais baratos do que os saindo fim de semana e sexta-feira. ;)

Algumas companhias aéreas são muito boas, boas, regulares e ruins? SIM! Isso existe, é inegável. Mas, também vai da sorte da cada um, porém as chances de você se frustrar com  Ibéria (não conheço ninguém que não tivesse vôo atrasado com eles) é maior do que com a KLM ou a Swiss (companhias bem elogiadas). Mas a melhor viagem é sempre a que tiver menos espera/paradas/infernoastral.

passaport

Passagens compradas, assim acaba a primeira etapa do planejamento, farei novo post com as próximas etapas, Hospedagem, locomoção interna, bagagem, câmbio de moedas, etc

Até a próxima.

DIY: Quadro recordações de viagens

Resolvi fazer esse post para compartilhar uma ideia que minha mãe e eu tivemos para eternizar momentos vividos em viagens que fizemos no exterior. Então vai esse meu primeiro Do It Yourself de decoração!

Além de lembrancinhas de viagens que todos nós trazemos (tipo,foi a londres e trouxe um cofrinho de cabine telefônica), que tal decorarmos nossa casa com lembranças que sejam mais pessoais e menos genéricas? Existem coisas que fotos só não registram, e cá entre nós, quadro de fotos é tããão anos 90. Tudo o que você guardou do cotidiano de uma viagem é sua fonte primária para esse projeto para um domingo chuvoso:

Entradas de museus que você foi, ingressos de espetáculos que assistiu, mapas e prospectos dos lugares turísticos que visitou, um guardanapo diferente daquele restaurante ou pub que você amou! Cartões de embarque, bilhetes de trem, metrô, ônibus… até o identificador da bagagem que foi despachada! Tudo isso são lembranças do cotidiano vivido em uma viagem. E se você é uma daquelas pessoas que adora guardar tudo isso! Não deixe mais no fundo da sua gaveta até perder toda a cor e acabar indo pro lixo, isso tudo pode virar um quadro decorativo completamente original.

Esses são os meus! O primeiro eu fiz com material de minha primeira viagem a Europa, onde conheci Londres, Oxford, Edimburgo e Amsterdam. O segundo foi quando conheci Paris, Vale do Loire, Berlim e Praga.

Agora mãos a obra:

Matéria prima:

(eu usei até o oyster card no meu quadro! é um cartão estilo um rio card / bilhete único, e um cardápio de um pub que eu gostava)

Além de suas coisinhas, você pode usar cartões postais também! Acho super recomendável. Eu usei em meus dois quadros, e acho que fica super bonito, além de ajudar bastante a dar contextualizada geral.  O uso de prospectos e mapas dos locais visitados, e também os cartões postais, trazem alegria e cor a sua composição

I – É importante que você teste de várias maneiras, combinações antes de começar a colar. Tenha certeza, teste bastante, tenha em mente as medidas do quadro sempre! Corte algumas coisas para ajeitar, em lugares que ficaram vazios procure preencher. É quase que um quebra cabeça, pense na disposição das imagens também, para não ficar monocromático, e sim bem vivo, colorido e interessante: entre lugares que tem muito texto ou p&b procure alternar com algo mais colorido. Com a versão definitiva escolhida é hora de começar a montar o quadro.

Quando for dispor as imagens pense em planos: primeiro plano (coisas maiores), segundo plano (coisas menores). É importante para a hora fixar tudo. Cuidado para não ficar tudo muito retão, num padrão prédios da URSS! Disponha de forma criativa, as sobreposições te levaram a várias alternativas interessantes para seu quadro.

II – A cartolina deve ter o tamanho do vidro da moldura, resguardando a parte de encaixe dela.  De modo a pegar de ponta a ponta da carolina, faça com a fita dupla face uma cruz, e depois por cima faça um “X”. (Não use cola aqui! a cola pode estragar os papeizinhos, enrugar, rasgar, etc… O melhor é mesmo a fita dupla face). Depois por vá colocando as coisas que você selecionou, cole na cartolina primeiramente as figuras maiores, do primeiro plano, então depois destas afixadas, cole as que ficaram em sobreposição, essas serão coladas por cima – aí você poderá usar a cola ou continuar com a dupla face, a cola afixará melhor, porém deve-se tomar demasiado cuidado para a cola não pesar sobre o papel – lembrando que o vidro da moldura virá por cima, então tudo ficará devidamente preso contra o vidro, ou seja, não precisa ficar tudo bem grudadinho na cartolina.

Tem como fazer sem cartolina! Mas não é tão seguro… O primeiro quadro eu fiz, fiz sem uso da cartolina: colei a dupla face no mesmo esquema que descrito acima, direto no vidro.

III – Além disso, você precisará, obviamente, do material para a moldura do quadro (chave de fenda, parafuso e tal) e o prego e a furadeira para por na parede depois. Mas isso depende da moldura, existem as “sanduíches” (sanduíche de dois vidros) que é aparafusada direto na parede. Existem molduras de vidros com montagens diferentes, eu fiz com as que tinha aqui em casa, tenho várias delas aqui. Ela é composta por dois vidros uma moldura fina de aço escovado, as coisinhas que prendem a moldura e os ganchinhos para pendurar o quadro, e tudo isso se solta fácil – desmontar foi fácil, montar sempre me deu uma dorzinha de cabeça na hora de encaixar direitinho as pecinhas da moldura. Escolha, preferencialmente, a moldura de vidro com a montagem que pareça mais simples ou atraente para você.